Flexibilização do jejum para a avaliação do Perfil Lipídico.

11/3/2019

height=408
 

ANALISANDO

25ª Edição (11/03/2019) 


Flexibilização do jejum para a avaliação do Perfil Lípídico.

Sophia Laís Araújo Fortes¹, Karina Braga Gomes Borges²  

¹Biomédica do Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais.
²Professora da Disciplina de Bioquímica Clínica da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais.


INFORME TÉCNICO - O que mudou com a nova normatização na determinação laboratorial do perfil lipídico.
 
Por meio de um consenso entre as Sociedades Brasileira de Análises Clínicas, Patologia Clínica, Cardiologia, de Diabetes, de Endocrinologia e Metabologia, e da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica, foi publicada em dezembro de 2016 uma nova normatização que dispensa a necessidade de jejum de 12 horas para a avaliação do perfil lipídico. 
 
Novas pesquisas avaliaram que a alimentação diurna é um bom indicador do perfil lipídico, pois predomina durante a maior parte do dia e, consequentemente, relaciona-se aos possíveis riscos cardiovasculares. Há aumento nos níveis de triglicérides no estado alimentado, porém este aumento é pouco relevante desde que se considere uma refeição usual sem sobrecarga de gordura, uma vez que  as determinações de colesterol total, HDL-C, não-HDL- C e LDL-C não diferem significativamente se realizadas no estado pré- ou pós-prandial. Sendo assim, os resultados dos exames feitos em pessoas com ou sem jejum, ingerindo alimentos de rotina sem excesso de gordura, não exerce interferência nos resultados da análise. Além disso, as novas metodologias diagnósticas minimizaram as interferências causadas pela maior turbidez nas amostras, decorrentes de elevadas concentrações de triglicérides. A exceção é observada quando os níveis de triglicérides ultrapassarem valores acima de 440 mg/dL sem jejum, pacientes em recuperação de pancreatite por hipertrigliceridemia ou em início de tratamento com drogas que causam hipertrigliceridemia severa, quando deverá ser solicitada outra dosagem para o paciente com jejum de 12 horas. 
 
É inegável que a coleta no estado pós-prandial é mais cômoda e prática para qualquer  paciente, mas o novo consenso tornou-se especialmente importante para pacientes com diabetes mellitus, que podem sofrer de hipoglicemia pelo longo tempo em jejum, além de crianças, gestantes e idosos.  
      ------                                                                                                                                               height=790

De forma geral, esta normatização trouxe maior facilidade de acesso aos laboratórios, diminuindo a perda de exames e aumentando os horários disponíveis de coleta durante o decorrer do dia, não restringindo apenas o horário da manhã, o que causava lotação nos postos de coleta.

Segundo o consenso, no momento da coleta é importante que o período de jejum seja informado pelo paciente, o qual deve constar no laudo. Exceto quando há solicitação na prescrição de tempo de jejum específico, o qual deverá ser seguido, o laboratório pode optar pela indicação do jejum de 12h quando na prescrição médica estiver presente outro exame que requeira o jejum. 
 
Recomenda-se que a determinação dos níveis de LDL-C no pós-prandial seja feita por método direto, ou estimados por meio da Fórmula da Martin. A Fórmula de Friedewald deve ser aplicada apenas para estimativa dos níveis de LDL-C no jejum quando os níveis de triglicérides forem inferiores à 400 mg/dL. A nova normatização recomenda ainda a inclusão do cálculo das frações não-HDL no laudo, uma vez que este valor independe do jejum, sendo facultada a informação dos níveis de VLDL-C.
 
A seguir são transcritos os valores de referência com e sem jejum publicado na nova normatização do perfil lipídico.
 
Tabela I. Valores de referência do perfil lipídico e de alvo terapêutico segundo risco cardiovascular para adultos > 20 anos.
height=295
CT*> 310 mg/dL  há probabilidade de hipercolesterolemia familiar (HF). 
 
 
Tabela II. Valores de referência do perfil lipídico para crianças e adolescentes.
height=247
CT*> 230 mg/dL  há probabilidade de hipercolesterolemia familiar (HF). 
 
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1) http://www.sbac.org.br/acompanhamento-politico/consenso-brasileiro-para-a-normatizacao-da-determinacao-laboratorial-do-per%EF%AC%81l-lipidico/. Acesso em: 27 Fevereiro de 2019.
2) http://www.sbac.org.br/wp-content/uploads/2017/09/ClinChem_201607_Nordestgaard_.pdf. Acesso em: 27 de Fevereiro de 2019.
3) http://www.sbac.org.br/wp-content/uploads/2017/09/ConsensoOficial_PerfilLipidico_2016_v13.pdf. Acesso em: 27 de Fevereiro de 2019.
 
4) Martin SS, Blaha MJ, Elshazly MB, Toth PP, Kwiterovich PO, Blumenthal RSet al. Comparison of a novel method vs the Friedewald equation for estimating low-density lipoprotein cholesterol levels from the standard lipid profile. JAMA. 2013; 310(19): 2061-681.